segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Mag



Vi Mag nascer
Vi Mag crescer
     
só não vi quando 
esse olhar se 
instalou em Mag - 

   um escorpião recôndito
dois abismos transitórios.

4 comentários:

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Todos vemos as crianças crescerem, mas não conseguimos ver nem entrar dentro do seu olhar de pensamentos.

Ana Lucia Franco disse...

Um olhar lindo, Luís, e este poema é uma homenagem à força do olhar desta menina.

Fábio Murilo disse...

Ah se pudéssemos levar a pureza dos primeiros dias, a poesia explicita em cada gesto, em cada olhar, avida sem a marca da desilusão. Mais crescer é preciso, pular do abismo da maturidade. cresce doí.

http://apoesiaestamorrendo.blogspot.com.br/

Viviane Peter Casser disse...

Minha leitura acerca do título do blog.
Lilás
A cor daquilo que não foi
Do desejo reprimido
Da alma agraciada.

Obs.: Este terceto não tem relação nenhuma com o conteúdo do blog. Quis apenas deixar um elogio ao título do mesmo.